Alunos apresentam aplicativo em Portugal

Com a ideia de apresentar o protótipo do aplicativo Rede VIPS, que se baseia em facilitar a vida de cadeirantes na sociedade, alunos participaram do “Youth Science Meeting” na cidade do Porto, em Portugal. O projeto, orientado pela professora de Química, Rosiani Baron Telles, e co-orientado pela professora de Língua Inglesa, Patrícia Goloni, foi criado para a Feira de Ciências de 2016 pelos estudantes Bruno Coelho, Diego Chiavassa, Victor Lee, João Pedro Mucciolo e Lucas Padial, da 3.a série do Ensino Médio.

portugal2

O “Youth Science Meeting, desenvolvido pela “Associação Juvenil de Ciência” (AJC) de Portugal e apoiado pela Universidade do Porto, foi um momento oportuno: os alunos puderam conhecer novos trabalhos e discutir ciência com jovens ao redor do mundo. Durante os dez dias do evento, o “Rede VIPS” chamou atenção por se tratar de um dos únicos projetos voltados para o aspecto social. “Promover o principal intuito do projeto, que é ajudar cadeirantes a se locomover pela cidade, é o que nos move”, comentou o aluno Bruno Coelho.

portugal3

Além disso, em outro momento, o grupo também participou de um concurso da Renault sobre segurança e mobilidade onde, entre 200 trabalhos de equipes do mundo todo, o aplicativo ficou entre os dez finalistas.

portugal4

Em 2016, o protótipo do Rede VIPS foi criado para a Feira de Ciências que tinha como tema o empreendedorismo social. Na ocasião, o grupo ganhou como melhor projeto na categoria social. Com a ajuda da professora Patrícia, presidente da ONG VIDAS (Vivência e Inclusão da pessoa com Deficiência por meio de Atividades e Sensibilização), os alunos desenvolveram o projeto a partir de uma conversa com parentes de cadeirantes e também uma vivência de um dia na cadeira de rodas – que acabou por envolver o Colégio e reuniu 70 alunos para a experiência.

portugal6

O protótipo do Rede VIPS conta com funções como um mapa de acessibilidade, doação e pedidos de cadeiras de rodas, doações financeiras, links úteis, um fórum para compartilhar histórias e um software para a notificação de problemas na cidade que serão encaminhados para a prefeitura.

O projeto não para: os meninos contam que o próximo sonho é participar da NSTA (Nacional Science Teachers Association) onde poderão encontrar grande visibilidade.